1.1.11

JÁ ESTÁ!
ATÉ QUE ENFIM!
COMEÇOU A CONTAGEM DECRESCENTE PARA O FIM DOS DIREITOS SOCIAIS!
(escrita banal)



Chegou o grande momento, tão ansiado pelos membros da organização de enguias embrutecidas, eleitas pelo povo ou nomeadas pelo bandido mais bem colocado, na montanha dos nabos e hortaliças com poder!
Já está! Os impostos subiram e os rendimentos baixaram!
Aqui está a política portuguesa no seu melhor. A União Europeia chora de alegria, os ministros de Portugal pulam e lançam frases como:
"Tomem lá! É bem feito! Eu é que mando! Eu é que sou o chefe cá em Portugal!
Posso não ser ninguém na Europa, nem no mundo, mas aqui sou o maior!
Queriam o quê, direitos sociais e cultura? E de seguida, evoluir e fazer crescer o país? Não queriam mais nada!
Eu sou ministro-jogador! E o jogo europeu consiste na desvalorização dos meus cidadãos.
E isto, se quero manter uma posição digna, na ceita do poder dos incompetentes acomodados!
Sim, o poder, aquele poder que nos permite viver bem, à conta daqueles que produzem a riqueza!
Com a participação dos meus submissos na Justiça, e no Tribunal Constitucional, a colaboração do Presidente da República, mais a colaboração da oposição teatral, é uma papa!
É só tirar dinheiro ao povinho nacionalizo, privatizo, nacionalizo,...
Vocês são todos tão ingénuos... Pensavam que iam votar em mim, que iria ajudar a desenvolver o país, para de seguida, ser esmagado por um padrinho ou um consiglieri dum banco qualquer e voltar a trabalhar para ganhar um salário? Queriam!!
A partir de agora, a nossa participação no jogo é irreversível! Estamos todos comprometidos.
Temos que cumprir. Isto é, vocês produzem e eu jogo com os lucros do vosso trabalho, vocês votam nas minhas supostas ideias e eu cumpro as ideias dos grandes poderes europeus, vocês enriquecem o país e eu rebento com o dinheiro todo, para reforçar negócios do meu interesse pessoal e dos meus amigos pela Europa!
E... Não deixem os vossos filhos fumar! Têm que crescer com saúde! Só assim poderão trabalhar para pagar o bem estar dos meus filhos e dos filhos dos meus colegas pelos bancos e outros interesses da Europa Mercantilista Unida!
Vocês têm que perceber uma coisa. Eu participo neste jogo, porque quero ser alguém.
Calem-se e trabalhem!
Mantenham-se a fazer coisas que se convertam em dinheiro para mim e para os meus amigos! Os bancos precisam da vossa mão de obra!
Sigam o conselho do nosso Presidente da República! Esqueçam as pessoas e o já ultrapassado valor humano, não ofendam os mercados!!!
Com muito custo, desejo-lhes um bom ano 2011.
E não se esqueçam de sofrer por mim e pelos meus amigos!"

Assinado,

Um político, banqueiro, economista ou grande empresário qualquer...

Texto de Pierrot le fou (Bom 2011)