6.1.11

PRESIDENCIAIS 2011
A SAGA CONTINUA!

2 comentários:

Marília Gonçalves disse...

De José Régio


Soneto quase inédito


Surge Janeiro frio e pardacento,
Descem da serra os lobos ao povoado;
Assentam-se os fantoches em São Bento
E o Decreto da fome é publicado.

Edita-se a novela do Orçamento;
Cresce a miséria ao povo amordaçado;
Mas os biltres do novo parlamento
Usufruem seis contos de ordenado.

E enquanto à fome o povo se estiola,
Certo santo pupilo de Loyola,
Mistura de judeu e de vilão,

Também faz o pequeno "sacrifício"
De trinta contos - só! - por seu ofício
Receber, a bem dele... e da nação.

JOSÉ RÉGIO Soneto escrito em 1969, no dia de uma reunião de antigos alunos.

Tão actual em 1969, como hoje...
E depois ainda dizem ...
(enviado por Amigo, Cineasta e Professor de Cinema)

Marília Gonçalves disse...

Je suis humble artisan d’une tâche inféconde

mais devant les dangers qui menacent le monde

je rougirais

d’être de ceux qui n’ont rien dit.

Eugène Bizot