25.1.11

PORTUGAL E O PRESIDENCIALISMO, NO CRÂNIO DOS ELEITORES...




A democracia funcionou. Uns votaram, outros não votaram.

6.1.11

PRESIDENCIAIS 2011
A SAGA CONTINUA!

UPS!
(valores dos cidadãos e funções dos trabalhadores)


Eles têm razão!
Temos que produzir mais!
Explico:

- Os carteiros têm que entregar mais cartas.
- Os professores têm que ensinar mais matéria.
- Os pedreiros têm que fazer mais paredes.
- As agências de viagens têm que vender mais bilhetes.
- Os pilotos de aviação têm que voar mais horas.
- A indústria farmacêutica tem que fabricar mais medicamentos.
- Os restaurantes têm que vender mais refeições.
- Os Policias têm que prender mais cidadãos.
- Os bombeiros têm que apagar mais incêndios.
- Os escritores têm que escrever mais livros.
- Os cientistas têm que investigar mais.
- Os padeiros têm que fabricar mais pão.
- Os pescadores têm que pescar mais (toca a ir buscar as famosas traineiras abatidas)
- Os músicos têm que vender mais discos.
- Os aviários têm que matar mais frangos.
- A EDP tem que vender mais energia e enganar mais os seus clientes.
- etc...

Ou será que nada disto é produtivo?

Não confundam...
Quando os economistas e os políticos, falam sobre economia, só se referem ao mercado de exportação, em nome dos grandes negócios, os cidadãos são pecinhas substituíveis ou reutilizáveis, na máquina da neo-democracia pro-capitalista instituída (tolerada). No meio de tudo isto, os indivíduos não são absolutamente nada!
Ao aceitarem a economia, assim como a apresentam (e representam), os políticos estão a valorizar o mercado. Não têm qualquer tipo de desejo positivo para os cidadãos que fazem lucrar os poderes privados ou públicos!
Se só interessa produzir, nesse caso, muitos dos cidadãos "implicados" nas funções da lista acima, são totalmente ignorados pelos responsáveis que andamos a eleger...

Já tinha pensado nisto?

A economia actual não significa justiça nem democracia. Será mais uma espécie de sinónimo de negócio ou um termo que resume política de baixo nível, corrupção, egoísmo, incompetência e sucessivas violações da Constituição da República Portuguesa.

Disse,

Espreite aqui: http://rotlefou.blogspot.com/2011/01/portugal-e-injustica-deliberada-dos.html

Pierrot le fou

PORTUGAL E A INJUSTIÇA
DELIBERADA DOS
PODERES ECONÓMICO-PARTIDÁRIOS

(para ampliar, clique na imagem)

1.1.11

JÁ ESTÁ!
ATÉ QUE ENFIM!
COMEÇOU A CONTAGEM DECRESCENTE PARA O FIM DOS DIREITOS SOCIAIS!
(escrita banal)



Chegou o grande momento, tão ansiado pelos membros da organização de enguias embrutecidas, eleitas pelo povo ou nomeadas pelo bandido mais bem colocado, na montanha dos nabos e hortaliças com poder!
Já está! Os impostos subiram e os rendimentos baixaram!
Aqui está a política portuguesa no seu melhor. A União Europeia chora de alegria, os ministros de Portugal pulam e lançam frases como:
"Tomem lá! É bem feito! Eu é que mando! Eu é que sou o chefe cá em Portugal!
Posso não ser ninguém na Europa, nem no mundo, mas aqui sou o maior!
Queriam o quê, direitos sociais e cultura? E de seguida, evoluir e fazer crescer o país? Não queriam mais nada!
Eu sou ministro-jogador! E o jogo europeu consiste na desvalorização dos meus cidadãos.
E isto, se quero manter uma posição digna, na ceita do poder dos incompetentes acomodados!
Sim, o poder, aquele poder que nos permite viver bem, à conta daqueles que produzem a riqueza!
Com a participação dos meus submissos na Justiça, e no Tribunal Constitucional, a colaboração do Presidente da República, mais a colaboração da oposição teatral, é uma papa!
É só tirar dinheiro ao povinho nacionalizo, privatizo, nacionalizo,...
Vocês são todos tão ingénuos... Pensavam que iam votar em mim, que iria ajudar a desenvolver o país, para de seguida, ser esmagado por um padrinho ou um consiglieri dum banco qualquer e voltar a trabalhar para ganhar um salário? Queriam!!
A partir de agora, a nossa participação no jogo é irreversível! Estamos todos comprometidos.
Temos que cumprir. Isto é, vocês produzem e eu jogo com os lucros do vosso trabalho, vocês votam nas minhas supostas ideias e eu cumpro as ideias dos grandes poderes europeus, vocês enriquecem o país e eu rebento com o dinheiro todo, para reforçar negócios do meu interesse pessoal e dos meus amigos pela Europa!
E... Não deixem os vossos filhos fumar! Têm que crescer com saúde! Só assim poderão trabalhar para pagar o bem estar dos meus filhos e dos filhos dos meus colegas pelos bancos e outros interesses da Europa Mercantilista Unida!
Vocês têm que perceber uma coisa. Eu participo neste jogo, porque quero ser alguém.
Calem-se e trabalhem!
Mantenham-se a fazer coisas que se convertam em dinheiro para mim e para os meus amigos! Os bancos precisam da vossa mão de obra!
Sigam o conselho do nosso Presidente da República! Esqueçam as pessoas e o já ultrapassado valor humano, não ofendam os mercados!!!
Com muito custo, desejo-lhes um bom ano 2011.
E não se esqueçam de sofrer por mim e pelos meus amigos!"

Assinado,

Um político, banqueiro, economista ou grande empresário qualquer...

Texto de Pierrot le fou (Bom 2011)