5.1.09

PALESTINA, O QUE TE FIZERAM?
Um ângulo, um olhar...


Na madrugada de segunda-feira 5 de Janeiro 2009, enquanto a SIC NOTÍCIAS abria o noticiário com os resultados dos jogos da liga portuguesa (mais uma tradição que se integra perfeitamente na nossa comodidade e sede constante de distracção e lazer, que caracterizam o bom português preocupado com o lado humano da bola que gira e do árbitro que penaliza os guerreiros da cultura de sofá!), o conflito em Gaza era atentamente seguido pelo canal  Al Jazeera e outras estações pelo mundo...
Guerra religiosa, segundo holocausto ou reversão na afirmação  da identidade cultural de dois povos condenados a viver mal, não por culpa das pessoas de bom senso que figuram nos "dois lados", onde  imoralidade e violência exercida os fazem sentir-se impotentes na sua intelectualidade e amor pelos vizinhos irmãos.
Para nós da "Nova Europa", é-nos fácil constatar irreverência e distância, nas relações entre Estados da Comunidade, que nunca provaram até hoje, querer definir uma posição consensual de peso, na consideração exigida para enfrentar um assunto que afinal parece não ser de interesse prioritário, já que por parte da "arrasada" Palestina, não se esperam grandes negócios de proveito para a mentalidade monetária que representa o grande objectivo europeu.
Conhecendo através do bom jornalismo, que nos tem levado a conhecer a "verdadeira-realidade" da famosa Terra Santa, as pressões diplomáticas, consequentes bloqueios, destruição de bens necessários para sobrevivência, entre decisões e atitudes que ignoram até uma criança a nascer, podemos sentir o peso da matéria manipulada que se infiltra nos média, como se de censura se tratasse.
A verdade é só uma, na Palestina, todos sabemos bem que os intelectuais  sempre foram alvo de perseguições severas por parte de Israel (Mahmoud Darwich, clique aqui), que os levaram a exilarem-se, em paises como Egipto ou até mesmo em vários países na Europa, parecendo querer pôr de parte, qualquer diálogo civilizado, que poderia melhorar uma situação já
por muitos muitos considerada banal!
A importância dos homens de letras e de boa fé é assim posta de parte, dando lugar aos grandes contratos com os Estados Unidos, fonte de toda a espécie de armas para a manutenção da instabilidade no lado muçulmano, que ao ver-se encurralado e sem voz, na sua própria terra, acabou por adoptar uma postura de revolta contra uma posição imposta, que até os maiores sábios não conseguem compreender.
Se não fosse do interesse dos grandes poderes ocultos, a preservação de conflito no Médio-Oriente, Israel o poder, Israel a terra que também tem crianças, que também tem poetas, intelectuais de bom senso, poderia associar-se aos seus congéneres do "lado-oposto", e criar estruturas para de forma digna, avançar para o novo dia,...o Grande Dia que daria nova luz e amizade entre dois povos, que afinal já merecem muito mais que a situação que estão a viver desde há mais de quarenta anos (já para não falar do início do século XX...).
 
Enfim, uma visão por mim aqui transcrita que refere acontecimentos mas, antes de tudo, revela vontade única, de ver o problema dos povos de Israel e da Palestina resolvido, assim como o fim de actos de maldade que persistem em tantos outros países no Mundo!

Deixo mais abaixo, um link para lerem (em francês) o poema "Petite écolière palestinienne", que Mostafa HOUMIR, um homem marroquino partilha no site : Poetas Del Mundo.
Leia aqui

Pierrot le fou

16 comentários:

Marília Gonçalves disse...

FIM À GUERRA JÀ

COMPANHEIROS, AMIGOS, LEITORES

A Esperança semeia-se pela PALAVRA

e pela PALAVRA se chega à PAZ!

Há muitos anos atrás, era eu uma menina, tal como deve ter acontecido com os não amnésicos políticos, lembro que era voz corrente, que o Salazar e a pandilha fúnebre e sinistra que o acompanhava estavam de pedra e cal, e que nada mudaria ou faria mudar este estado de coisas que o Povo português tinha que resignadissimamente ir suportando como praga eterna de gafanhotos que nos devastava as vidas e a Esperança. Era assim uma espécie de maldição lançada sobre a credulidade consciente ou não, e sobre os incautos, que lhes bebiam os falsos sorrisos e as maneiras estudadas de quem quer saquear a casa alheia, tendo o dono aberto as portas por suas mãos crédulas e descuidadas.

Vivia- se num mundo restrito, de aparências, onde a hipocrisia tinha ares benevolentes; sorridentes, ocultando na capa nocturna do obscurantismo a crueldade de que vivia e com que comandava Portugal. O drama é que muitos filhos do povo se habituaram aos ares falsos e tomavam-nos como exemplo, o que poderia dar a parecer que havia uma serenidade de ânimos e que tudo corria pelo melhor, no melhor dos países.

Tive a sorte de crescer num meio antifascista, e isto de ser antifascista nesse tempo não se baseava apenas nas frases proferidas em família nem em princípios sem estrutura. A ideia tinha um esqueleto, que lhe conferia a postura correcta, verídica, credível desde a mais tenra idade. Era um comportamento e não atingia ainda junto dos mais pequenos a tonalidade formal da palavra explícita.

Era esse comportamento que nos fazia antifascistas sem mesmo sabermos que o éramos. Aprendizes de ser humano com a diversidade do exemplo por modelo.

Crescíamos a pensar e a sentir de outra forma. Diferentes na conquista da livre Igualdade.

Pois por isso essas frases escutadas no exterior não nos atingiam, uma infantil semente de esperança crescia vicejante contra todos os males.

Mostrou o futuro que tínhamos razão! Uma Primavera, amanheceu Abril, um Abril único, nunca visto, vestido de cravos rubros e de olhos que viam o Futuro aberto à sua frente pela primeira vez!

Ora hoje o Mundo em guerra está faminto dum Universal Abril!

As guerras sempre injustas, matam inocentes. Pois hoje, como ontem durante o fascismo em Portugal, os ânimos cansados descrêem da PAZ. Não lhe vêem o caminho.

O Ser Humano descrê de si próprio.

Pois tal como em Portugal floriu o cravo de Abril, contra todas as descrenças, também a PAZ no MUNDO terá o seu ABRIL! e Florirá!

Porque é inevitável, porque é anti-humano o que se passa actualmente na Palestina no Iraque, entre outros países que vivem no horror e no terror! Porque contraria as leis da Vida!

Apenas cada um de nós tem que através da Palavra positiva semear a certeza desse inevitável dia a atingir! Urgente!

Ou consentindo na barbaridade é o nosso próprio fim que preparamos, porque as forças que se opõe são tão poderosas que se lhes não pomos de imediato cobro, alastram a pestilência da guerra que nos pode atingir mundialmente! Ai, e isso ninguém quer, porque enquanto é na casa dos outros, o nosso egoísmo consente e cala, cobarde, mas se pode atingir-nos a nós ...

E como é o que bem (mal) nos pode acontecer; o melhor é gritar aos nossos governos que mudem de atitude e tomem uma posição firme e enérgica a exigir a Paz imediata e sem condições!

E se agirmos assim a Paz virá a ser!

E um Mundo melhor pode começar enfim para todos e para cada um!

Marília Gonçalves

Anónimo disse...

POETAS, ayuden ¡A DETENER LA MASACRE EN GAZA! ¡A DECIR BASTA! Por Suad Marcos Frech*


NICARAGUA: Frente a las terribles y inhumanas agresiones de parte del ejército israelí a la población de Gaza, convoco a la prensa nicaragüense a acompañar esta protesta que expresa el repudio a las acciones sionistas y exigir al mundo que pare la masacre.

El panorama cada vez es mas difícil, en todo la zona de la Franja de Gaza, no hay un lugar seguro donde la gente puede protegerse de tanta agresión, todo los lugares se han convertido en objetivos del ejercito israelí, mezquitas, colegios, iglesias, todo; esta es una guerra contra todo el pueblo palestino, nada está seguro allá, familias enteras han sido exterminadas, niños ancianos mujeres, hombres.

Colegas, hay que denunciar, que esta no es una guerra contra un grupo como dicen ellos, contra un grupo de terroristas, no es así, esta es una guerra para exterminar el pueblo palestino, una guerra de exterminio masivo contra un pueblo que no escogió la violencia como forma de vida, las y los palestinos decidieron por su derecho al retorno, por el derecho a vivir en su propia tierra, derecho al que jamás van a renunciar.

Hace pocas horas a las 2:55 de la tarde, en mi comunicación con Gaza y con otras embajadas de Palestina en el mundo, el reporte es que a esa hora acababan de bombardear una casa de la familia de Abu Khousa, portavoz de Fatah, que la cifra de muertos se había elevado a 550, los heridos a 2 mil 700, que los bombardeos no cesan, que las tropas israelíes no dan tregua ni para que las ambulancias pasen para evacuar heridos, también me informaron que ayer, una ambulancia fue bombardeada y todo el equipo fue asesinado, incluyendo a un medico que acompañaba la ambulancia

Esta violencia no acabará sin una firme acción de la comunidad internacional, pero la comunidad internacional está frente al derramamiento de sangre en Gaz, y no hace nada, están viendo que cada minuto que pasa esta violencia aumenta a una mayor escala.

Israel quiere exterminar la Franja de Gaza, está movilizando sus tropas, atacando con misiles, ¿Cuándo se va a pronunciar el Consejo de Seguridad de Naciones Unidas y a las potencias mundiales? ¿Que están esperando para actuar, más días sangrientos en Gaza?

Es urgente que los líderes del mundo más que hacer declaraciones, se compron a buscar un alto al fuego real a través del Consejo de Seguridad y otros cuerpos internacionales, hay que detener ese genocidio, la situación en Gaza no puede continuar, los ataques se extienden, los misiles siguen dando en el blanco del pueblo palestino, más de 1 millón y medio de personas en Gaza ya se están muriendo de hambre, no hay ni comida ni medicinas, ni combustible.

Les envío ese link y esas imágenes que no necesitan traducción del árabe al español, hablan por si solas.

http://www.youtube.com/watch?v=p_4fDnSWzJ8

Poetas, ayuden a detener la masacre en Gaza, a denunciar este nuevo genocidio contra el pueblo palestino.



Suad Marcos Frech*, POETA del MUNDO:
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=540

Marília Gonçalves disse...

Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009

Leitores Amigos Camaradas Companheiros

vou deixar aqui hoje uma estranha imagem, gostaria que parassem sobre ela a reflectir, não é uma imagem de guerra, antes pelo contrário representa serenidade Paz e a Beleza que a Natureza põe ao alcance dos nossos corações humanos, claro nem sempre é esta imagem que se nos depara, por vezes, é uma mão que segura outra mão, ou o olhar duma velhinha que pode ser nossa mãe ou avo, ou a velha casa que nos viu nascer
ou ainda o olhar maravilhado da criança diante de cada descoberta.
Fiquemos por aqui, pelo dever que temos de permitir que as crianças conservem a sua linda inocência, a sua confiança no ser humano! Estaremos à altura dessa confiança? a Criança é o amanhã ! é o futuro, companheira de jornada de nossos filhos e netos, o que mais amamos, então sobre esta imagem que eu queria para todas as crianças do Mundo, vos peço, levantem-se por amor às criancinhas. Por elas não consentireis mais no vosso mutismo, no cúmplice involuntário o silêncio. As Crianças.... Não foi Jesus o vosso Menino Jesus que festejastes há tão poucos dias, que tanto amava as crianças?! Pensai em tudo isso
e aqui fica convosco a minha Esperança no vosso Humano Despertar!
até breve e o meu abraço confiante


Marilia Gonçalves

Anónimo disse...

a meu ver este titulo, começa 1º por ser parcial e só depois apela á paz, evocando as todas as vitimas...só posso concluir uma abordagem demagogica, lamento.

Se vamos falar em nome da liberdade, devemos incluir a tolerancia e o respeito pela fé dos nossos vizinhos.

Continuando a alimentar fundamentalismos não vamos a parte alguma, pelo contrario, isto sim é a mãe da violencia, o cerne da questão, amigo Pierre.

abraço, Bruno

Pierrot le Fou disse...

Bruno,
é verdade que o título pode levar a essa interpretação mas como podes reparar, o texto é dirigido de igual forma aos seres humanos que existem nos "dois lados" do conflito.
Debruço-me ligeiramente sobre a desigualdade por todos no Mundo constatada, sem dar razão qualquer áqueles que praticam actos terroristas, tanto por parte de "mártires"extremistas da Palestina como decisões militares extremistas de Israel.
A prioridade no Médio Oriente, requer bom senso e intervenção humana, bem antes de qualquer sobre-alimentação disparatada, do já exagerado complexo, que a ONU observa na plateia dos passivos de interesses económicos mundiais.
Sendo pai, penso inúmeras vezes, nas crianças que nascem e crescem no meio de tanta violência (eu ainda me lembro de brincar com carros telecomandados e bonecos, bombas não me recordo...), que para além de acto, tem antes de tudo, uma definição moral e de orgulho questionável, quando se trata de tirar a vida a alguém, para afinal voltar ao mesmo "estado de partida"...
Seria um texto enorme, fico então por aqui...

Abraço,

Pierrot le fou

Marília Gonçalves disse...

Confundir o povo da Palestina com o HAMAS é grave e tendencioso

Que o Hamas è Extremista Fundamentalista todos o sabemos.


foi pena que em Vida do ARAFAT que não era extremista nem fundamentalista mas que defendia e amava o seu povo e o seu País, não tenham sabido encontrar o Caminho para a PAZ

Mas neste momento não é o Hamas que está a ser bombardeado, é o povo civil, são as crianças numa luta desigual, o Peso das armas israelitas, não é resposta adequada à agressão sofrida principalmente que ocorre em defesa própria.

mas o caso é que não é a Palestina que ocupa ISRAEL mas o contrário, que povo gosta de ver seu país invadido por outro? eu não suportaria que invadissem Portugal!

Tenho ao longo dos anos denunciado fervorosamente o Horror do Holocausto judeu perpetrado pelos nazis, sempre o farei, exactamente porque ninguém tem o direito de exterminar nenhum povo!

seja em que nome fôr

Mas o certo é que o fundamentalismo não teria a força que tem, se o Ocidente não tivesse dado tanta força no início ao Ayatollah Khomeini , aquando do seu regresso de exílio em França, ao Irão.

Força essa que tentou mais tarde combater armando o Iraque de Saddam Hussein que por sua vez o Ocidente armou para combater o Irão quando lhe começou a ter medo

Viu-se o resultado que tal estratégia deu, mais uma vez o Ocidente, nomeadamente os USA destruíram em poucos anos um País, o seu Povo e uma Cultura milenar!

A sede de justiça imparcial devia mover quem escreve.

é dever do Ser Humano estar ao lado dos mais fracos.

Neste caso preciso morre um sem fim de Crianças, e o não chegar à PAZ rapidamente está por desgraça nossa a alastrar um conflito que pode degenerar em mais uma guerra religiosa, porque o facto do Fundamentalismo ser realmente um perigo, nao invalida que urge impor a PAZ naquela região, para que acabem os pretextos para que fanáticos se suicidem matando outros inocentes no solo de Israel. E que venham a exportar a guerra.

O facto é que as bombas sejam de quem forem, são uma arma cega e cobarde que tanto mata inocentes como pode estar a matar adeptos da PAZ, num lado ou noutro;

mas uma revisão à História pode tirar duvidas aos esquecidos ou aos que por não terem nascido ainda no inicio dos conflitos falam porque ouviram dizer que...

http://www.alterinfo.net/La-Revolution-Islamique-Iranienne-Avait-L-Entiere-Approbation-de-l-Occident_a22487.html?print=1

Quando se tem sede o melhor é ir beber à fonte, onde a água seja pura e transparente
Sou poeta, neste momento o nosso movimento que conta milhares de poetas de todo o Mundo e que tem o aval da UNESCO, bate-se desesperadamente para salvar vidas, neste caso na Palestina, amanhã quem sabe onde as loucuras e os interesses financeiros dos grandes levarão tristemente nossos passos e a nossa VOZ

http://www.poetasdelmundo.com/noticias.asp

Marília Gonçalves

Anónimo disse...

O que se passa na Palestina é um verdadeiro crime contra a humanidade pois ninguém tem o direito de matar crianças que nada teem a ver com a guerra dos adultos e sao sempre as principais vitimas porque indefesas
Israel procura sempre motivos para eliminar o maximo de contestatarios pois desde sempre se viu o que acontece quando ha um ferido israelita eles teem de matar dezenas
Claro que sao atacados com metodos faliveis pois até agora o resultado tem sido magro em vidas humanas stp o que é necessario é resolver de uma vez por todas a situaçao dos palestinos mas ha sempre um boicote quando a situaçao parece ir ter uma soluçao.
Ja por varias vezes que Israel é condenado na ONU mas basta um voto dos Estados Unidos para que fique tudo na mesma. O dinheiro tem muita força e a prova esta àa vista pois todos os Governos sejameuropeus sejam arabes ou outros dependem do FMI e as suas acçoes sao motivadas por essa dependencia stp por agora é tudo e espero que termine rapidamente o massacre de GAZA.

Anónimo disse...

mas qual fé qual carapuça;
o que se passa é uma ocupação de territórios pela parte de colonos
israelitas
a fé não tem que ver inicialmente
vamos a dar às coisas sas o nome que têm
um roubo é um roubo aqui foi terra que foi roubada ao povo da Palestina
fé? fezada no dinheiro e nada mais! Interesses! Cacau! Qual fé qual nada

Zeca

Marília Gonçalves disse...

Posição e proposta do embaixador dos poetas del mundo em Portugal, João Sevivas*


PORTUGAL: VERGONHA! O Mundo se tivesse cara deveria cobri-la de vergonha. Cúmplice de um genocídio em pleno século XXI o mundo dito civilizado assiste à carnificina do povo palestiniano como antes assistira à do povo iraquiano, sem nada fazer. Basta de terror, de morte, violação de todos os direitos e princípios.

A Organização das Nações Unidas - atenta a sua Inqualificável Ineficácia em nome da Humanidade deveria ser extinta e reformulada - nem sequer condena a barbárie israelita que neste preciso momento assassina centenas de civis em Gaza.

Porquer nós não Calamos a Morte proponho:
1º Que todos os poetas, pelas formas que tiverem ao seu alcance, gritem e lutem pelo fim desta Matança e por um cessar fogo imediato.

2º Que o Tribunal Penal de Haia julgue e puna todos os responsáveis pela Carnificina.

3º Denunicem a farsa que constitui, nos nossos dias, a ONU.

4 Que se abra aqui e agora corrente de forte solidariedade humana em forma de Abaixo Assinado pela Vida em que todos os poetas assinem e seja enviado pela direcção dos poetas del mundo às instâncias de poder político
mundial.

5º Um livro pela Palestina. Cada um de nós darmos um pouco do nosso sangue em forma de poema.

João Sevivas*, Embajador de poetas del Mundo en Portugal:
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_europa.asp?ID=655

Anónimo disse...

Pierre, em contraponto, acho que dever-se-á ainda tomar em consideração que:

-não poderemos substimar que são de grandes lideres árabes, as afirmações a incitar á eliminação de Israel, como solução...final?

-sobre a questão da terra, pessoalmente, acho que os judeus teem tanto direito a viver numa outrora chamada judeia,
como os outros.
Acho absolutamente ignobil o colocar suásticas a par da bandeira israelita e até de uma idiotice atroz.

-o hamas conta com um dissimulado apoio entre civis, logo não podemos substimar isto também.


atentamente
Bruno

Pierrot le Fou disse...

Bruno,

Em relação à Judeia: (já lá vão uns anos)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Judéia

Tornou-se tudo tão complicado, que é imperativo que haja intervenção por parte da... ONU(?!), em nome dos direitos dos dois povos, antes de tudo, para, de uma vez por todas definir fronteiras geográficas (e não de estratégia económica para o poderes lobbys americanos e amigos) para os dois territórios.

No que diz respeito ao facto de haver pessoas a colocar suásticas na bandeira de Israel, equiparo tais acções a, por exemplo, estamparmos "fotografias-portrait" do lider do Hamas "Khaled Meshaal" na cara de todos os palestinianos e passarmos a chamar-lhes terrositas ou povo extremista, com legitimação "policopiada da mentalidade de um conservadorismo ocidental, que se orgulha no seu desprezo por um povo destinado a servir de cobaia para os convenientes interpretadores radicais europeus (mais conhecidos por conservadores) que só aceitam como justa, a sua definição do conflito Israelo-Palestiniano .

Falando dos civis palestinianos, os sodados israelitas encontram-se numa posição sensível por causa dos tais "dissimulados", pois para chegar aos fins que pretendem, os extremistas não hesitam em usar irmãos enquanto escudos humanos, o que leva a duplo sofrimento por parte dos civis palestinianos...

Isto é complicado, muito complicado...

Humanamente,

Pierrot le fou

Marília Gonçalves disse...

Para quem souber ler bem francês aqui vai um texto que explica nem como o Hamas foi criado para combater a OLP e Arafat, com o apoio de Israel, quem não conseguir traduzir, o google tem um tradutor automático, imperfeito, seja, mas permite compreender o sentido geral
do que aqui fica exposto deixo aqui o link do SITE DONDTE TIREI O TEXTO
http://michel.barrier.elus76.com/post/2009/01/03/Comment-Isra%C3%ABl-a-mis-en-selle-le-Hamas!-pour-mieux-comprendre!

mas quem tiver a vontade de conhecer a realidade dos factos, uma procura com a pergunta como foi criado o Hamas e qual o papel de Israel, as respostas não faltarão

Marília Gonçalves
TEXTO SEGUE:

omment Israël a mis en selle le Hamas! pour mieux comprendre...!

Par Michel BARRIER le samedi 3 janvier 2009, 10:16 - Histoire - Lien permanent

* Hamas
* Israël
* Palestine

Tel-Aviv a favorisé délibérément l’implantation du mouvement islamiste, il y a vingt ans, pour diviser les Palestiniens et peser sur l’OLP et Yasser Arafat.
Comment expliquer qu’en moins de vingt ans le Hamas soit devenu la première force politique dans les territoires occupés, au point de prendre le dessus sur le Fatah à Gaza et de le chasser au terme de terribles affrontements en juin 2007 ? Est-ce parce qu’il s’est posé en farouche opposant à Israël et aux accords d’Oslo et, partant, à l’OLP dont il ne fait pas partie et qu’il accuse d’avoir abandonné la revendication d’un État palestinien sur l’ensemble de la Palestine historique d’avant le partage de 1948 ? Ou parce que, comme tout mouvement islamiste, il a su pallier l’absence de l’Autorité palestinienne sur le terrain social, n’hésitant pas au besoin à instrumentaliser la corruption et l’enrichissement de certains dirigeants du Fatah ? Sans doute les deux à la fois. Mais on ne peut faire l’impasse sur le fait qu’Israël a fait en sorte de mettre en selle le Hamas, faisant tout pour disqualifier les laïcs au profit d’islamistes, tellement commodes à haïr.

Retour en arrière. À Gaza, durant les années 1970, Israël avait fort à faire avec le Fatah et les organisations de gauche palestiniennes. Et quand Ahmed Yassine, de retour du Caire, fraîchement diplômé d’Al-Azhar, crée une association islamique de bienfaisance, il est encouragé par l’administration militaire en charge de ce territoire. Selon l’hebdomadaire israélien Koteret Rashit, cité par le Monde du 18 novembre 1987, « le gouvernement militaire était convaincu que ces activités affaibliraient l’OLP et les organisations de gauche à Gaza ».Les islamistes, ajoutait-il, « étaient autorisés à faire venir de l’argent de l’étranger ». Et c’est ainsi qu’à l’ombre de la répression israélienne à l’endroit de l’OLP, les islamistes prennent leur envol, développent un important réseau d’aide sociale, mettent en place un réseau scolaire et l’université à Gaza - d’où sortiront les élites politiques du Hamas. En octobre 1987, bien que pris de court par le début de l’Intifada, ils ne tardent pas à prendre le train en marche et, le 14 décembre de la même année, fondent le Hamas, lequel se sentant suffisamment fort se donne pour objectifs la création d’un État islamique et la réduction de l’influence de l’OLP ! C’est alors qu’Israël feint de découvrir la menace que représente le Hamas, alors que celui-ci bénéficiait jusque-là d’un préjugé favorable. Quand sont signés les accords d’Oslo en 1993, le Hamas s’y oppose et s’emploie à les torpiller en multipliant les attentats suicide. Comme en écho, Israël négocie d’une main mais poursuit la colonisation de l’autre en multipliant les entraves pour retarder la création d’un État palestinien prévu alors au plus tard pour… la fin 1998. L’arrivée d’Ariel Sharon au pouvoir en 2001, qui partage avec le Hamas une même hostilité aux accords d’Oslo, constitue un tournant majeur. Les attentats commis par les islamistes sont attribués à Arafat, dont Sharon interdit toute sortie de Ramallah. Israël entreprend de détruire les infrastructures de l’Autorité palestinienne qui préfiguraient les contours du futur État palestinien. Le port et l’aéroport de Gaza, des édifices publics, la radio-télévision, soit 2 000 institutions (80 % des infrastructures palestiniennes) financées par l’UE, sont ainsi détruits. Ce à quoi s’ajoutent l’arrachage de 950 000 arbres fruitiers et oliviers, le dynamitage de 62 000 habitations, les morts de civils…, et en arrière-plan les assassinats ciblés de cadres connus de l’OLP. En affaiblissant une Autorité palestinienne arc-boutée sur les seules résolutions onusiennes, ne disposant d’aucune marge de manoeuvre, Israël a ouvert le champ au Hamas. L’Occident, quant à lui, a forcé la main à l’OLP pour organiser des élections législatives en 2006 alors que tout indiquait que le Hamas allait les remporter. Et quand ce fut chose faite, Washington et l’UE décidèrent, de concert avec Israël, de couper les vivres aux Palestiniens. Et c’est ainsi que, se nourrissant des échecs successifs du processus de paix, du refus d’Israël d’appliquer les résolutions de l’ONU et autres « feuilles de route », le Hamas a pu « prospérer » avant de prendre le pouvoir à Gaza en juin 2007. de Hassane Zerrouky

Marilia Gonçalves

Marília Gonçalves disse...

Para que nao passem as informaçoes por possivelmente tendenciosas
aqui fica excerto da WIKIPEDIA pt
Marilia

Hamas (em árabe: حماس, transl. Ḥamās, acrónimo de حركة المقاومة الاسلامية, Ḥarakat al-Muqāwamat al-Islāmiyyah, cujo significado é "Movimento de Resistência Islâmica") é uma organização paramilitar e partido político sunita palestino que tem a maioria dos assentos no conselho legislativo da Autoridade Nacional Palestina[1].

O Hamas está ligado à luta pela formação do Estado Palestiniano, e pela desocupação dos territórios palestinianos ocupados por Israel, durante a Guerra dos Seis Dias.

[editar] Origem

Criado no final de 1987, na cidade de Gaza. O movimento era então próximo da Irmandade Muçulmana do Egito[2].

O Hamas se desenvolve diferentemente na Cisjordânia , não participando da criação ou do controle de instituições públicas.

Segundo alguns analistas, a Irmandade Muçulmana palestina, durante os anos 1970 e 1980, era financiada direta ou indiretamente por diferentes estados, como a Arábia Saudita e a Síria, mas também pelo Mossad, o serviço secreto israelense. [3].

O braço político e beneficente da Irmandade Muçulmana é então reconhecido oficialmente por Israel.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hamas

Marília Gonçalves disse...

noites claras
noites brancas
e pesadas
quando consciência colectiva
dispara pesadelos
que são balas onde a água se nega
um absurdo sol
apaga os olhos de crianças
tenho vergonha de ser um ser humano
urdido no silencio
no clamor das chamas!
Socorroooooooo.......... matam crianças
Marília Gonçalves


"Il est temps d'instaurer la religion de l'amour. "
Louis Aragon

Marília Gonçalves disse...

Eventos para a Palestina
Judeus ortodoxos manifestam

Dezenas de ultra-ortodoxos judeus pertencentes a um radical anti-sionista atual, demonstrou hoje contra a ofensiva israelense contra o Hamas em Gaza.

A quarentena dos judeus ortodoxos, o pequeno grupo de Neturei Karta (Guardiães da Cidade ") se reuniram no bairro de Mea Shearim, acenando placas chamando para" parar o massacre sionista terrorista em Gaza ".

"Nós somos contra o governo sionista", cantavam os manifestantes estavam gritando "Gevald, o Iídiche palavra para" back-to-pode ".

O grupo de Neturei Karta é radicalmente contra a criação de Israel, que ele disse que pode ser feito na vinda do Messias.

Eles apóiam a política nuclear do Irão e dos movimentos radicais palestinianos.

A ofensiva israelense já matou pelo menos 689 palestinos, incluindo 220 crianças, e cerca de 3.000 feridos desde o seu lançamento, em 27 dezembro, segundo a última revisão dos serviços de emergência.

Israel diz que é projetada para obrigar o Hamas a interromper os ataques contra o território israelita foguete.

Le Figaro
Français

>
Portugais

permuter
Traduire

Manifestations pour la Palestine
des juifs orthodoxes manifestent

Plusieurs dizaines de juifs ultra-orthodoxes appartenant à un courant radical antisioniste, ont manifesté aujourd'hui contre l'offensive israélienne contre le Hamas à Gaza.

Une quarantaine de ces juifs orthodoxes, du groupuscule des Neturei Karta ("les gardiens de la Cité") se sont rassemblés dans le quartier de Méa Shéarim, brandissant des pancartes appelant à "stopper le massacre terroriste sioniste à Gaza".

"Nous sommes contre le gouvernement sioniste", ont scandé les manifestants en criant "Gevald", le terme yiddish pour "sauve-qui-peut".

Le groupe des Neturei Karta est radicalement opposé à la création de l'Etat d'Israël qui, selon lui, ne pourra intervenir que lors de la venue du Messie.

Ils soutiennent la politique nucléaire de l'Iran et les mouvements radicaux palestiniens.

L'offensive israélienne a coûté la vie à au moins 689 Palestiniens, dont 220 enfants, et fait quelque 3.000 blessés depuis son lancement le 27 décembre, selon le dernier bilan des services d'urgence.

Israël affirme qu'elle vise à contraindre le Hamas à mettre fin aux attaques à la roquette contre le territoire israélien.

Le Figaro

Marília Gonçalves disse...

Ser mulher ou ser humano
Para o caso tanto faz
Quando o humano é humano
E quando o tempo é de paz.
Mas quando triste na terra
A voz que se ouve é de guerra
Ser mulher é muito mais
Porque é força resistente
Que pensa, vibra, que sente
E se levanta entre as mais
Então ser mulher é vida
Como força conseguida
Que vem do fundo de nós
As herdeiras do passado
Erguendo o mais alto brado
Vindo de nossas avós
Iremos rumo ao porvir
Como força a construir
Em nome da Liberdade
Travamos luta renhida
Pois somos fonte de vida
A gritar dignidade.

Marília Gonçalves