30.7.08

32ª FEIRA DO LIVRO DE FARO

32ª Feira do Livro de Faro vai abrir já 5ª feira.Decorrerá de 31 de Julho a 12 de Agosto.

O Sulscrito estará presente, como já vem sendo habitual, com um pavilhão onde poderão encontrar várias publicações alternativas, revistas de artes e literatura e pequenas e médias editoras de todo o Portugal e Espanha.
(ARCA, Livrododia, Criatura, Mandágora, Palavra Ibérica, Sulscrito, Utopia, Deriva, Canto Escuro, Gente Singular, Bigode, 4águas).
Estará disponível o nº 2 da revista Sulscrito.
Haverá um LerAlto,
leituras de textos pelos autores, para o qual ficam convidados a participar.
Apresentaremos uma programação vasta, com a presença de vários autores e livros recentes a serem apresentados.
Estaremos sempre disponíveis para conversar, apresentar os nossos projectos e dar a conhecer outros projectos culturais emergentes.

Programa Sulscrito

32ª Feira do Livro de Faro
os eventos realizam-se sempre a partir das 21h (em ponto)

Data:2 de Agosto
Autor: Paulo KellermanLivro: Silêncios entre NósEditora: Deriva

Data: 3 de Agosto
Autor: Pedro AfonsoLivro: ainda aqui este lugarEditora: 4águas

Data: 4 de Agosto
Autor: Fernando CabritaLivro: O amor é um claro mêsEditora: Gente Singular

Data: 6 de Agosto
Ler Alto (leituras públicas)

Data: 7 de Agosto
Aproximando Margens/Acercando OrillasEscritores Algarve – Andaluzia – Canárias(António Manuel Venda, Fernando Esteves Pinto, Gabriel Cruz, Pedro Afonso, Quintin Cabrera e Uberto Stabile)

Data: 10 de Agosto
Apresentação do nº 2 da revista de literatura Sulscrito

Data: 11 de Agosto
Autor: Manuel A. DomingosLivro: MapaEditora: Livrododia

Apareçam

blog: http://sulscrito.blogsome.com/
email: sulscrito@yahoo.com

Ajudem-nos a divulgar este evento

24.7.08

TRABALHADORES INDEPENDENTES SEM DIREITOS EM PORTUGAL
artigo 23º da Declaração Universal dos Direitos do Homem


O governo português adora apontar para o passado para disfarçar ou justificar os seus ridículos erros no presente, que se não fossem representativos de assuntos importantes do nosso pais por resolver, talvez nos levasse(m) a rir um pouco (como os senhores deputados em geral, tão bem sabem fazer).
Querendo fazer-se passar por sabe-se lá o quê (tudo menos filosofo....), o nosso primeiro ministro, já por várias vezes tropeçou em rasteiras por ele próprio criadas, factos a que pudemos assistir na imprensa em geral.
Se a nova proposta |ver aqui| que pretende facilitar a vida aos Trabalhadores Independentes avançar, os usurpadores da República, mais uma vez tiram dum buraco para tapar outro (a técnica do lençol...).
Não fiquemos por aqui, sabendo que nem todas as empresas (PME) podem suportar mais estes 5, 6, 7,4% ou seja qual for a percentagem de encargos sociais, observamos mais uma vez que as grandes ideias destas pessoas parecem depender da sua limitada inteligência, já por nós conhecida.
Então e o desemprego dos Trabalhadores Independentes?... não abordam essa injustiça do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, que actua em violação e desrespeito pelo artigo 23º da Declaração Universal dos Direitos do Homem??
É logo um principio, quando se finge ignorar ou se ironiza sobre instituições fundamentais que surgiram em nome dos direitos dos cidadãos do mundo, basta integrar o grupo certo... torna-se assim fácil a qualquer individuo que nunca trabalhou, de diploma debaixo do braço, chegar ao poleiro, sentir prestígio e começar a decidir.
Para igualdade dos direitos de todos aqueles que trabalham, deve quem tem poder para isso, decidir melhorar as condições e direitos dos Trabalhadores Independentes, que não conseguem empréstimos para habitação, não recebem nada quando estão desempregados, mantendo-se obrigados a pagar os "impostos sociais", não têm direito a férias (o Estado não tem nem quer vir a ter despesas algumas com trabalhadores independentes)...
Considerando os últimos governos e o tal em vigor, que actuaram enquanto "Pilatos" até ao dia de hoje, responsáveis pela péssima gestão continua de Portugal, não podemos aceitar que nos imponham obrigações, que em nada nos servem enquanto contribuintes pagadores dos direitos dos outros e das reformas dos "bem colocados".
Criem um regime adequado à realidade específica de cada tipo de serviço, depois poderão criar escalões sociais proporcionais às várias realidades para cada sector.
Imaginar um político a agir num sentido mais humano é pedir demasiado às bactérias da falsa diplomacia, que não querem pensar muito (Se assim já ganham bem, para que é que iriam estes vermes ter que trabalhar??!)...

Artigo 23 ° (Declaração Universal dos Direitos do Homem, 10 de Dezembro de 1948)
1. Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.


Passando por dificuldades? O Estado não tem nada a ver com isso!
Um exempo de Direitos dos Trabalhadores Independentes |aqui|

16.7.08

LA FONTAINE, LE CORBEAU ET LE RENARD
Quando os elogios pairam no ar, algum interesse pessoal e manha, seu fazedor poderá mascarar (Pierrot le fou)

Traduzidas ou adaptadas por poetas portugueses e brasileiros do século XIX, as famosas fábulas de La fontaine reunem-se no livro "LA FONTAINE, FÁBULAS, da Temas e Debates" (2ª edição 1999)
E-mail: temas@temasdebates.pt

Deixo aqui o original na lingua de La Fontaine

Maître Corbeau, sur un arbre perché,
Tenait en son bec un fromage.
Maître Renard, par l'odeur alléché,
Lui tint à peu près ce langage :
"Hé ! bonjour, Monsieur du Corbeau.
Que vous êtes joli ! que vous me semblez beau !
Sans mentir, si votre ramage
Se rapporte à votre plumage,
Vous êtes le Phénix des hôtes de ces bois. "
A ces mots le Corbeau ne se sent pas de joie ;
Et pour montrer sa belle voix,
Il ouvre un large bec, laisse tomber sa proie.
Le Renard s'en saisit, et dit : "Mon bon Monsieur,
Apprenez que tout flatteur
Vit aux dépens de celui qui l'écoute :
Cette leçon vaut bien un fromage, sans doute. "
Le Corbeau, honteux et confus,
Jura, mais un peu tard, qu'on ne l'y prendrait plus.

9.7.08

Governos baixam o IVA
Espanha 14%-20% Portugal

Espanha 16 para 14%, Portugal 21 para 20%...
Grande vitória de Portugal que derrota o país vizinho por 6 pontos percentuais, destabiliza governo espanhol, que com esta derrota não encontra pedra para por baixo se refundir.
Espanha envergonhada por perder na batalha de "Ganha quem conseguir em simultâneo, ser mais burro e conseguir gozar com o seu povinho, tirando o máximo de prazer, ao ignorar os sofrimentos e necessidades da plebe, oferecendo alegria ao potencial vencedor deste bárbaro mas já banal concurso de seres incapazes que se abrigam por trás de suas posições de serventes da política internacional.
Pessoas assim só merecem uma coisa,.....reformas congeladas, prisão, corredor da morte,....coisas boas e bem a seu nível.
Fracos politicos portugueses, é o que temos por cá, é o destino de quem não se preocupa suficientemente com assuntos que a todos dizem respeito.
Andamos distraidos ou a brincar aos adultos do "deixa andar"?
É complicado abordar assuntos que não nos dizem respeito, pois já que não somos politicos, passamos a batata quente para os incompetentes que a maioria dos que foram às urnas, elegeram num gesto de despachar mais um domingo.
Despachar é uma prioridade e destina-se aos impotentes da comunidade tecnocrata comodista que temos em Portugal.
Todos os dias surgem prioridades no nosso país, sendo tratadas com o habitual "delay", que por tradição cá na terra dos "encostados", dependem da matéria distractiva,que o governo em vigor não hesita explorar, de forma a dissipar as "porcarias" que os dirigentes por cá fazem já há muito tempo.
Será que um dia vamos ter um Estado inteligente que tomará decisões positivas e rentáveis para o país, sem criar vitimas sociais, usando políticas de manipulação, abuso e castigo dos seus cidadãos?
Para evoluir, o Estado português precisa de limpar muitas peças do seu mecanismo viciado que alguns pensam ser inalterável e impenetrável.
Será que isto vai mudar um dia, esperando que a União Europeia também pare de desviar as atenções das prioridades, disfarçando os seus actos materialistas e de agrupamento das grandes potências internas, com acções ambientalistas (as politicas para o ambiente distinguem Europa de Estados Unidos ou G8....? )que deveriam avançar em paralelo com as prioridades humanas e sociais.
Imagino um lema europeu para o ambiente: "Vamos todos parar de poluir e vamos tratar das plantas mas os trabalhadores não podem ter dignidade, conforto ou dinheiro que lhes permita comprar coisas boas para o futuro dos seus filhos... É uma ordem!!!"
Economistas para quê, para constatar? Isso, até uma criança de 5 anos sabe fazer.
Breve conclusão: Economistas e Politicos precisam de voltar para a escola ou desaparecer!

Pierrot le fou