29.12.08

Bom Ano 2009
(Na imagem abaixo, não é "O Evangelho segundo Jesus Cristo" mas sim "2009 segundo os nossos governantes"...)


Para os mais de trezentos dias de crise, pelos péssimos governantes do Mundo imposta, desejo a todos um Feliz e Harmonioso 2009.
A todos, muito cuidado com o alcool e que os vossos veículos sejam por vós melhor conduzidos, que o país tem sido pelos incompetentes assumidos, que sobraram para nós de Portugal.



Pierrot le fou (última publicação 2008)

20.12.08

FELIZ NATAL 2008
(escrita simples)



É altura de amizade, compaixão, convívio, preparativos, cheiro a bolos e tantas outras boas coisas.
Na nossa cultura e tradições sensíveis, ainda temos direito a estes momentos de celebração, onde festas e presentes são parte da alegria que muitos anseiam na contagem decrescente para o grande momento que por nossa determinação, só poderá acontecer na condição de não durar mais de 24 horas.
Para que a festa não acabe logo, todos os anos temos mais uma semana que alarga o período de festas até à véspera de passagem de ano.
O dia 1 de Janeiro aproxima-se mais daquilo a que muitos já estão habituados, depois de um bom sábado à noite a beber uns copos valentes.
Passados estes dias de rara sensibilidade por tantos de nós praticada, há que voltar ao "estado normal".
Na metamorfose social ou retrocesso evolutivo (porque não retrocesso na evolução?), estado normal será por exemplo, voltar a pensar nas dívidas, nos salários injustos, na famosa crise que dá tanto jeito a tantas falsas vítimas deste recém acontecimento que parece ter sido combinado entre governos, poderes económicos, primos e afilhados.
No dia de Natal, tudo tem que correr bem, muita comida, muitas prendas,...
Na era do dinheiro, em que só o dinheiro (o próprio) parece poder determinar a existência humana, alguma coisa estranha está a conseguir, de forma progressiva, alterar toda a essência da celebração em si, tornando-se importante, comprar, comprar e comprar.
Sem perseguição alguma aos comerciantes, que não fazem nada mais que o seu trabalho, deixo aqui uma "Reclamação Universal" ao exagero de publicidade que nos invade através de todos os meios possíveis, incitando cidadãos com a vida a crédito, a somarem ainda mais despesas.
Olhando para a competitividade das empresas, há instantes em que até quase percebo esta irreverência ou atitude exagerada, face aos potenciais clientes, sinto por isso uma grande tristeza, ao não encontrar a mesma dinâmica nas promoções do nosso governo e nas suas habituais práticas de aumentar os produtos invisíveis que todos nós pagamos ao preço que a oculta publicidade das instituições nos impõe!
Passamos assim a um fenómeno de triangulação (ou de tripla confusão), em que o Pai Natal, Jesus Cristo (a verdadeira origem do Natal...) e Cartão de Crédito continuam a deixar liberdade para cada um decidir, viver ou interpretar como quiser, o verdadeiro Natal, dependendo ainda do jogo legislativo que estiver na moda.

Haja boa disposição e

Feliz Natal 2008,

Pierrot le fou
Mais um texto de Natal
(Escrita a sério, clique aqui)

19.11.08

POR FALAR EM CIMEIRAS...
G20, G19, G18, G17,...



Cimeiras ou festas, estes meetings reservados a talentos na modalidade "Fui eu que fiz porcaria mas continuo cheio de dinheiro e isso faz-me rir...que se lixem os outros", são breves instantes que reunem os imbecis que deformam toda a função ou organização civilizacional em vias de continuar a contribuir para preservação destas estranhas espécies viciadas em dinheiro e poder.
Na farsa dos governos que mais devemos interpretar como grupos de frustrados com especial fixação na injustiça e imcompetência que tanto gostam de praticar e exibir nos exemplos que nos apresentam através das políticas de consenso global (capitalismo, recessão oportuna, crises com hora e jantar marcados... Os americanos até andam a ler Marx, ao que parece, “O Capital” está a sair como pãezinhos quentes...), estes Homo Sapiens acabam por ter direito a estas fotografias simbólicas e robustas, no sentido de demarcar a sua glória e “altura” assim como aquela estátua do Sadam que vimos ser destruida, passadas algumas horas da invasão americana no Iraque.
Força para estes rapazes tão vaidosos!
Vamos ao dinheiro!
Quem falou em Adão...e Eva?!....
Deus fez o Capitalismo e a moeda criou o homem à sua imagem...

Por falar nisso, se evocam o capitalismo em nome de todos,.. Aonde é que está a minha moeda?!!

Pierrot le fou

7.11.08

FICCÇÃO HUMANA
ESTROMBELO E O UNIVERSO

A história que se segue, conta-nos a estranha aventura de Estrombelo.
Começa assim, Estrombelo acorda num barco em cima do telhado duma casa, sítio onde se encontrava já há alguns dias.
Naquela manhã ventosa de céu cinzento, Estrombelo, após tanto tempo no poleiro, era um homem desesperado, farto de estar num sítio de onde não conseguia sair.
Depois de dias, horas, a repetir a mesma frase infinitas vezes, olha em sua volta e pergunta mais uma vez:
"Está aí alguém, estou sozinho?" O silêncio era tal, que:
"Já percebi, não vejo ninguém, as ruas estão desertas... Não há aqui pessoas para além de mim...sou um homem isolado de tudo!"

"O que terá acontecido? Que situação estranha, esta de me encontrar num barco em cima duma casa!" Ainda ensonado, olha aqui e ali e... repara num panfleto que o vento trouxe para junto da popa do barco, agarra-o e lê: "Desconto de trinta porcento sobre todos os artigos".
Fica a pensar e em voz alta diz: "Mas para que me serve um desconto de trinta porcento, se não há nada para comprar?
"Quem tem a coragem de me enviar um papel com tal inscrição sabendo que estou aqui completamente sozinho?!" Pergunta Estrombelo zangado.
"Se for uma brincadeira, aviso-os desde já, que sou um homem sério e que nunca ninguém me conseguiu fazer rir!"
"Eu não digo...estou mesmo a ficar louco... Sei perfeitamente que estou aqui sozinho e ainda me ponho a fazer figuras...se passa por aí alguém, o que irá dizer de mim?" Estrombelo atravessava um momento de breve divagação.
Confuso, pergunta-se:
"Agora é que estou a ver bem" diz, "Então não é que dormi num barco que está em cima do telhado desta casa! A situação absurda, não lhe parecia ser apior de todas, já que considerava mesmo assim que, pior era se tivesse dormido numa avioneta no cimo dum arranha-céus...
"Será que bebi vinho estragado, ou já morri e estou no inferno?"
A estranha situação em que se encontrava, fá-lo disparatar:

"Nada como sozinho,
num barco acordar,
no cimo duma casa
onde o raio do barco veio parar" Cantarolou.

Construindo assim pequenas quadras com a inspiração "que lhe veio à mão", canta:

"Ao viver aqui tão só,
acabei por ouvir uma voz,
do vizinho não pode ser,
será dos meus avós..."

Até que:

"Não pode ser", diz Estrombelo em tom de desespero, "Eu não mereço isto, detesto a solidão, detesto barcos em cima de casas!"
"Como é que isto aconteceu, como pude eu acabar isolado de tudo o que pode ser bom, aonde estão os outros,...é uma partida?"
A consciência de Estrombelo estava no melhor do seu funcionamento, inibindo o raciocínio.
"Já sei, estou a pagar pelos erros que cometi quando era vivo!"
"E quem me diz que estou morto? Estou a sentir o vento a passar por mim, até já senti arrepios, com esta confusão toda, até me está a doer a cabeça".
Será que depois do nosso tempo de vida, vamos para um sítio onde ainda somos recompensados com dores de cabeça? Isto não é justo, trabalhei mais de quarenta anos que nem um escravo, para, afinal receber uma tremenda dor de cabeça como prémio, pela servidão?!"
"Mantenho que isto não é justo, ainda por cima, não tenho ninguém para culpabilizar... Espertos! Malandros! Venham cá acima ao barco, que já lhes digo!"
A triste figura de Estrombelo num barco em cima dum telhado é flagrante.
"Esta casa é tão alta, como vou eu fazer para sair daqui? Não há escadas, o vento está cada vez mais forte e o barco está a abanar. Preciso de encontrar uma solução rápida, antes que isto caia lá em baixo!"
Numa tentativa frustrada, grita:
"Socorro, ajudem-me, estou cá em cima... Aqui...aqui em cima no barco que está em cima da casa!"
O tempo foi passando e, farto de gritar, cala-se, pensa e:
"Será que a maré vai subir e tirar o barco daqui? Se assim for, é uma questão de paciência,....Mas eu não sou nada paciente!"
Já desolado, Estrombelo ao virar o olhar, vê o que parece ser um monte de papéis debaixo do banco do barco em equilibrio, debruça-se com cuidado para não cair, estica o braço e consegue agarrar um Jornal.
"Um jornal!" diz em tom alegre, "Até que enfim que aparece qualquer coisa interessante, é a minha salvação, vou finalmente ficar a saber porque ficou isto tudo tão deserto e sem uma única pessoa com quem conversar".
Ansioso por descobrir alguma informação que o ajudasse a melhor entender o porquê de tal situação, olha para a primeira página e na data lê: "Segunda-feira 1 de Agosto de 10 000"...
"Dez mil?... Dez mil?! Qual dez mil, mas que jornal é este, com o ano dez mil... Eu nasci em 1935 e estou vivo no ano dez mil? Deve ter sido erro de impressão... ou estarei a ver mal?"
O coitado sente o cérebro a dar uma cambalhota.
"Deixa-me lá ver,... Ah, uma notícia interessante; "Povo concede direito de actuação ao Primeiro-Ministro, para criar fundo para castigo a ex-governantes e colaboradores directa ou indirectamente culpados de usurpação da democracia".
"E esta: procura-se cidadão com ou sem estudos, com determinação para exercer funções de Secretário Mundial para a igualdade humana no Planeta Terra...coisa estranha!".
Ainda outra: "Crónicas do passado, esta semana, dossier sobre o dinheiro os seres primitivos que praticavam a desigualdade através do materialismo e capitalismo selvagem, até ao Século XXIX".
"Epá", diz Estrombelo esta notícia é alarmante, lê então: "Segundo cientistas do Observatório Mundial para desenvolvimento, protecção e manutenção da espécie humana, no mês de Setembro do ano 10 000, a Terra sofrerá o impacto dum cometa, levando a destruição quase total do Planeta, sendo a possibilidade de sobrevivência da espécie humana, de um para dez mil milhões...."
Estrombelo parou novamente para pensar e por fim diz:
"E eu aqui num barco em cima duma casa..."
Mas alguma coisa muda e de um instante para o outro, Estrombelo mais positivo diz:
"Será possível? Eu não acredito em nada dessas coisas mas só me posso render às evidências.
Terei eu viajado no tempo para descobrir que no ano 10 000, um cometa vai embater na terra, como foi isto acontecer?
Ou Terei sido eleito pelo destino, para ser Secretário Mundial com determinação, no sentido de criar igualdade humana só para mim, já que sou provavelmente a única pessoa por cá?
Certo mesmo é que, continuo aqui num barco em cima duma casa e não vejo gota de água, quanto mais marés que me tirem daqui..."
Nas perguntas e afirmações, por Estrombelo projectadas, elementos, como o tempo, conhecimento e conceito de sociedade eram parte de algo complexo que claramente confundia este desprotegido ser na sua limitada interpetação, da vida.

Destinado a esperar pela resolução do seu enigma, todos os fenómenos, por muito anti-naturais que possam parecer, talvez um dia levarão Estrombelo a encontrar a solução exacta da grande escrita que determina toda a função da nossa existência, considerando-a como parte finita da vasta, interminável e magnifica construção organizada, que representa o Universo.

Estrombelo ficou ali a pensar e a pensar, e a pensar... até que:

(Acaba assim)

Estrombelo canta:

"viajei de trinta e cinco
Até ao ano dez mil
Estou no cimo da casa
entre nós há um barco..."

(Não rima mas foi assim que cantou!)


Pierrot le fou

29.8.08

Assaltos em Portugal?
Quem serão os praticantes?


Sei que pareço um ladrão...
mas há muitos que eu conheço
que, sem parecer o que são,
são aquilo que eu pareço.

António Aleixo


Caros cidadãos,

ouvi dizer que andam por aí a assaltar os bancos, os ricos e até as pessoas.
A isto, não poderia ficar quieto no meu canto, sem nada escrever, até porque escrever pode não dissuadir os praticantes de tais crimes mas irá de certeza servir o bom senso, em vez de banalmente comentar actos que surpreendem inocentes no meio de "fogo cruzado", resultante destes já habituais assaltos ou tentativas de tirar qualquer coisa a qualquer coisa ou a alguém.
Será que estes assaltos acontecem por necessidade? Isto é, em resposta a necessidades de pessoas que vivem a injustiça social em Portugal?
Quem.....quem terá o perfil ideal para desempenhar o papel de "Oi, eu sou um assaltante" ? (ou qualquer coisa assim....).
São de certeza pessoas que não se sentem realizadas ou que sonham com conforto, coisas boas, enfim acabar com o sofrimento que a maior parte do povo português começa a estar farto de sentir na pele.
Vamos tentar proceder por "eliminação" e talvez descubramos os potenciais culpados:

1- O Presidente da República ____________________Não é suspeito (tem prestígio e tem um bom salário, não precisa de...)

2- O Primeiro Ministro___________________________Não pode ser suspeito Não
tem prestígio mas tem um bom salário, não precisa de...)

3- Os trabalhadores por conta de outrem e funcionários________ São todos suspeitos (Não têm algum prestígio e não têm bons salários

4- Os empresários______________________________ São todos suspeitos (Nem sempre têm prestígio e nem todos têm bons salários)

5- Os estudantes________________________________São todos suspeitos (porque uns são filhos de trabalhadores e outros filhos de empresários)

6- Os trabalhadores liberais_____________________ São todos suspeitos (por não terem estabilidade económica nem direitos sociais...e os filhos deles)

7- Aqueles que não querem tabalhar_____________Não são suspeitos (quem não trabalha, não trabalha!)

8- Os delinquentes______________________________São todos suspeitos (até porque são delinquentes!)

9- Os Administradores__________________________Não são suspeitos (quem dirige grandes volumes de €, sabe faze-las sem dar nas vistas!)

10- O Durão Barroso____________________________Aonde é que está? Não é suspeito (está ausente...)

11- O pobrezinho que vive no interior e que nem sabe que houve uma revolução em Portugal no ano de 1974___________Bingo! Encontrámos o culpado!

Custou mas foi, afinal não é tão dificil assim fazer-se justiça em Portugal.
Qual reunião extraordinária da Comissão Permanente da Assembleia da República para debater a “onda de criminalidade violenta”!!!
Para quê dramatizar, os ex-suspeitos da lista acima continuam todos a viver normalmente, para que serviria uma reunião extraordinária se crime em Portugal é coisa ordinária?!
Contemplemos estas boas coisas que caracterizam a realidade da Justiça que os governantes que se sucedem uns aos outros nos oferecem enquanto privilégios dos infinitos direitos que servem Tribunais e processos automatizados, na representação limitada dos actores da tão maltratada República, que todos nós formamos enquanto membros inscritos na instituição dos deveres materiais sem direito ao equilibrio moral (e económico).

Pierrot le fou

Deixo aqui um artigo que poderá fazer pensar mais que uma vez, antes de fazer projectos perigosos...

Artigo 210º do código penal português.

Roubo
1 - Quem, com ilegítima intenção de apropriação para si ou para outra pessoa, subtrair, ou
constranger a que lhe seja entregue, coisa móvel alheia, por meio de violência contra uma pessoa, de
ameaça com perigo iminente para a vida ou para a integridade física, ou pondo-a na impossibilidade
de resistir, é punido com pena de prisão de 1 a 8 anos.
2 - A pena é a de prisão de 3 a 15 anos se:
a) Qualquer dos agentes produzir perigo para a vida da vítima ou lhe infligir, pelo menos por
negligência, ofensa à integridade física grave; ou
b) Se verificarem, singular ou cumulativamente, quaisquer requisitos referidos nos nºs 1 e 2 do artigo
204º, sendo correspondentemente aplicável o disposto no nº 4 do mesmo artigo.
3 - Se do facto resultar a morte de outra pessoa, o agente é punido com pena de prisão de 8 a 16
anos.

Não esquecer que para além de existirem mais artigos, na justiça também se aplica a matemática simples
exemplo: 1+3=4, 3+16=19, etc... (...penas)

um exemplo das possiveis recompensas aqui!

18.8.08

INTERPETAÇÃO GELADA DAS REPÚBLICAS DOS SENTADOS
(escrever por escrever)

"Pao leitura do azeite electrico demasiado alto para o nivel do pescoço italiano da torre emblematica do sofrimento alheio da padaria brilhante que rodeia as luzes dum livro acabado de começar a corrida para o melhor da sua rua propria no ramo da industria do ensino basico adornado pelas condutas do oceano atlantico preservado pelos misterios da ciencia do dia a dia por nos vividos atraves do pensamento comum prateado na escadaria inclinada representativa da fome dos negocios internos da galeria desfasada que fala na vez dos outros".

Sem acentos e pontuação, o texto acima torna-se tão lógico quanto a grande parte daquilo que à nossa volta vai acontecendo na politica, tendência moderna para imbecis sem capacidade para gerir uma oficina, quanto mais um país.
Abstracto, louco, adolescente, insólito ou mesmo irreverente, o texto que puderam ler (até pode ter significado...quem sabe?), não revela nada mais que “escrita só para escrever” , sem objectivo algum, tal como nas “Raves” das Assembleias das Repúblicas, quando se trata de resolver aquilo que ainda está por resolver.

Se pelo Tribunal Constitucional de determinado pais, aparecesse uma proposta demente que propusesse a obrigatoriedade de exames para aprovação dos idiotas candidatos a rei, deputado, ministro ou até mesmo, fofoca dos corredores das prestigiadas assembleias das várias repúblicas constituídas até hoje, o estágio não remunerado de doze meses seria certamente válido nos portões de acesso ao grau da fama dos vaidosos de crânio desidratado.
Enquanto a lei, os direitos e todas as decisões dependerem de académicos sentados, os povos do mundo limitam-se a mastigar as migalhas que lhes sugerem.

Bom apetite,

Pierrot le fou

30.7.08

32ª FEIRA DO LIVRO DE FARO

32ª Feira do Livro de Faro vai abrir já 5ª feira.Decorrerá de 31 de Julho a 12 de Agosto.

O Sulscrito estará presente, como já vem sendo habitual, com um pavilhão onde poderão encontrar várias publicações alternativas, revistas de artes e literatura e pequenas e médias editoras de todo o Portugal e Espanha.
(ARCA, Livrododia, Criatura, Mandágora, Palavra Ibérica, Sulscrito, Utopia, Deriva, Canto Escuro, Gente Singular, Bigode, 4águas).
Estará disponível o nº 2 da revista Sulscrito.
Haverá um LerAlto,
leituras de textos pelos autores, para o qual ficam convidados a participar.
Apresentaremos uma programação vasta, com a presença de vários autores e livros recentes a serem apresentados.
Estaremos sempre disponíveis para conversar, apresentar os nossos projectos e dar a conhecer outros projectos culturais emergentes.

Programa Sulscrito

32ª Feira do Livro de Faro
os eventos realizam-se sempre a partir das 21h (em ponto)

Data:2 de Agosto
Autor: Paulo KellermanLivro: Silêncios entre NósEditora: Deriva

Data: 3 de Agosto
Autor: Pedro AfonsoLivro: ainda aqui este lugarEditora: 4águas

Data: 4 de Agosto
Autor: Fernando CabritaLivro: O amor é um claro mêsEditora: Gente Singular

Data: 6 de Agosto
Ler Alto (leituras públicas)

Data: 7 de Agosto
Aproximando Margens/Acercando OrillasEscritores Algarve – Andaluzia – Canárias(António Manuel Venda, Fernando Esteves Pinto, Gabriel Cruz, Pedro Afonso, Quintin Cabrera e Uberto Stabile)

Data: 10 de Agosto
Apresentação do nº 2 da revista de literatura Sulscrito

Data: 11 de Agosto
Autor: Manuel A. DomingosLivro: MapaEditora: Livrododia

Apareçam

blog: http://sulscrito.blogsome.com/
email: sulscrito@yahoo.com

Ajudem-nos a divulgar este evento

24.7.08

TRABALHADORES INDEPENDENTES SEM DIREITOS EM PORTUGAL
artigo 23º da Declaração Universal dos Direitos do Homem


O governo português adora apontar para o passado para disfarçar ou justificar os seus ridículos erros no presente, que se não fossem representativos de assuntos importantes do nosso pais por resolver, talvez nos levasse(m) a rir um pouco (como os senhores deputados em geral, tão bem sabem fazer).
Querendo fazer-se passar por sabe-se lá o quê (tudo menos filosofo....), o nosso primeiro ministro, já por várias vezes tropeçou em rasteiras por ele próprio criadas, factos a que pudemos assistir na imprensa em geral.
Se a nova proposta |ver aqui| que pretende facilitar a vida aos Trabalhadores Independentes avançar, os usurpadores da República, mais uma vez tiram dum buraco para tapar outro (a técnica do lençol...).
Não fiquemos por aqui, sabendo que nem todas as empresas (PME) podem suportar mais estes 5, 6, 7,4% ou seja qual for a percentagem de encargos sociais, observamos mais uma vez que as grandes ideias destas pessoas parecem depender da sua limitada inteligência, já por nós conhecida.
Então e o desemprego dos Trabalhadores Independentes?... não abordam essa injustiça do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, que actua em violação e desrespeito pelo artigo 23º da Declaração Universal dos Direitos do Homem??
É logo um principio, quando se finge ignorar ou se ironiza sobre instituições fundamentais que surgiram em nome dos direitos dos cidadãos do mundo, basta integrar o grupo certo... torna-se assim fácil a qualquer individuo que nunca trabalhou, de diploma debaixo do braço, chegar ao poleiro, sentir prestígio e começar a decidir.
Para igualdade dos direitos de todos aqueles que trabalham, deve quem tem poder para isso, decidir melhorar as condições e direitos dos Trabalhadores Independentes, que não conseguem empréstimos para habitação, não recebem nada quando estão desempregados, mantendo-se obrigados a pagar os "impostos sociais", não têm direito a férias (o Estado não tem nem quer vir a ter despesas algumas com trabalhadores independentes)...
Considerando os últimos governos e o tal em vigor, que actuaram enquanto "Pilatos" até ao dia de hoje, responsáveis pela péssima gestão continua de Portugal, não podemos aceitar que nos imponham obrigações, que em nada nos servem enquanto contribuintes pagadores dos direitos dos outros e das reformas dos "bem colocados".
Criem um regime adequado à realidade específica de cada tipo de serviço, depois poderão criar escalões sociais proporcionais às várias realidades para cada sector.
Imaginar um político a agir num sentido mais humano é pedir demasiado às bactérias da falsa diplomacia, que não querem pensar muito (Se assim já ganham bem, para que é que iriam estes vermes ter que trabalhar??!)...

Artigo 23 ° (Declaração Universal dos Direitos do Homem, 10 de Dezembro de 1948)
1. Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.


Passando por dificuldades? O Estado não tem nada a ver com isso!
Um exempo de Direitos dos Trabalhadores Independentes |aqui|

16.7.08

LA FONTAINE, LE CORBEAU ET LE RENARD
Quando os elogios pairam no ar, algum interesse pessoal e manha, seu fazedor poderá mascarar (Pierrot le fou)

Traduzidas ou adaptadas por poetas portugueses e brasileiros do século XIX, as famosas fábulas de La fontaine reunem-se no livro "LA FONTAINE, FÁBULAS, da Temas e Debates" (2ª edição 1999)
E-mail: temas@temasdebates.pt

Deixo aqui o original na lingua de La Fontaine

Maître Corbeau, sur un arbre perché,
Tenait en son bec un fromage.
Maître Renard, par l'odeur alléché,
Lui tint à peu près ce langage :
"Hé ! bonjour, Monsieur du Corbeau.
Que vous êtes joli ! que vous me semblez beau !
Sans mentir, si votre ramage
Se rapporte à votre plumage,
Vous êtes le Phénix des hôtes de ces bois. "
A ces mots le Corbeau ne se sent pas de joie ;
Et pour montrer sa belle voix,
Il ouvre un large bec, laisse tomber sa proie.
Le Renard s'en saisit, et dit : "Mon bon Monsieur,
Apprenez que tout flatteur
Vit aux dépens de celui qui l'écoute :
Cette leçon vaut bien un fromage, sans doute. "
Le Corbeau, honteux et confus,
Jura, mais un peu tard, qu'on ne l'y prendrait plus.

9.7.08

Governos baixam o IVA
Espanha 14%-20% Portugal

Espanha 16 para 14%, Portugal 21 para 20%...
Grande vitória de Portugal que derrota o país vizinho por 6 pontos percentuais, destabiliza governo espanhol, que com esta derrota não encontra pedra para por baixo se refundir.
Espanha envergonhada por perder na batalha de "Ganha quem conseguir em simultâneo, ser mais burro e conseguir gozar com o seu povinho, tirando o máximo de prazer, ao ignorar os sofrimentos e necessidades da plebe, oferecendo alegria ao potencial vencedor deste bárbaro mas já banal concurso de seres incapazes que se abrigam por trás de suas posições de serventes da política internacional.
Pessoas assim só merecem uma coisa,.....reformas congeladas, prisão, corredor da morte,....coisas boas e bem a seu nível.
Fracos politicos portugueses, é o que temos por cá, é o destino de quem não se preocupa suficientemente com assuntos que a todos dizem respeito.
Andamos distraidos ou a brincar aos adultos do "deixa andar"?
É complicado abordar assuntos que não nos dizem respeito, pois já que não somos politicos, passamos a batata quente para os incompetentes que a maioria dos que foram às urnas, elegeram num gesto de despachar mais um domingo.
Despachar é uma prioridade e destina-se aos impotentes da comunidade tecnocrata comodista que temos em Portugal.
Todos os dias surgem prioridades no nosso país, sendo tratadas com o habitual "delay", que por tradição cá na terra dos "encostados", dependem da matéria distractiva,que o governo em vigor não hesita explorar, de forma a dissipar as "porcarias" que os dirigentes por cá fazem já há muito tempo.
Será que um dia vamos ter um Estado inteligente que tomará decisões positivas e rentáveis para o país, sem criar vitimas sociais, usando políticas de manipulação, abuso e castigo dos seus cidadãos?
Para evoluir, o Estado português precisa de limpar muitas peças do seu mecanismo viciado que alguns pensam ser inalterável e impenetrável.
Será que isto vai mudar um dia, esperando que a União Europeia também pare de desviar as atenções das prioridades, disfarçando os seus actos materialistas e de agrupamento das grandes potências internas, com acções ambientalistas (as politicas para o ambiente distinguem Europa de Estados Unidos ou G8....? )que deveriam avançar em paralelo com as prioridades humanas e sociais.
Imagino um lema europeu para o ambiente: "Vamos todos parar de poluir e vamos tratar das plantas mas os trabalhadores não podem ter dignidade, conforto ou dinheiro que lhes permita comprar coisas boas para o futuro dos seus filhos... É uma ordem!!!"
Economistas para quê, para constatar? Isso, até uma criança de 5 anos sabe fazer.
Breve conclusão: Economistas e Politicos precisam de voltar para a escola ou desaparecer!

Pierrot le fou

25.6.08

CENTRO DE CIÊNCIA VIVA DE TAVIRA EXEMPLAR
IDEIAS ECONÓMICAS QUE RESPEITAM O AMBIENTE, PODEM "REFLECTIR" SISTEMAS DO FUTURO


Clique |aqui| para ver como coisas pequenas e simples se tornam exemplo daquilo que sendo hoje elementos de base pouco reconhecidos, passarão sem dúvida a ser soluções a adoptar e a desenvolver no futuro, para um ambiente mais saudável e inteligência económica proporcional nas grandes decisões dos países capitalistas do mundo.
Parabéns ao Centro de Ciência Viva de Tavira, parabéns às pessoas que desenvolvem este trabalho e a todos os que apoiam este projecto, onde o orçamento aplicado (se justo e suficiente) se justificará por defeito.

Mais uma notícia |aqui|

Pierrot le fou

ALLGARVE, ALGARVE DE TODAS AS AVES DE RAPINA

ALLGARVE sem o consentimento dos algarvios, que considero serem não só os nativos desta fruitiva e alimentícia região para aquele bicho de mil estômagos, por nós conhecido pelo nome de “Orçamento de Estado”, mas sim todos os que habitam e fazem viver esta linda parte de Portugal.
Allgarve implica não só uma alteração morfológica da palavra que adopta aqui uma posição de “espécie de adjectivo ilegal” ("nome-adjectivo" não é igual a "substantivo-adjectivo"!......qualidade da palavra....).
Estará esta alteração deliberada e de interesse reservado, incluída no prematuro léxico da nova inquisição cultural que nos impõe o tal acordo lusófono, supostamente tão benéfico para a manutenção da expressão e cultura portuguesa no mundo ou mesmo em PORTUGALL?
Certo mesmo, é que no “ALGARVE” (peço desculpa mas a tentação foi enorme e acabei por escrever ALGARVE só com um “L”, se calhar sou menos português por causa disso...), para o verão 2008, existe uma programação cultural idealizada e projectada fora da região, onde a sua preparação foi sem hesitação alguma elaborada por um colectivo de ratazanas (rattus norvegicus!) que formam o GOPDPLGPPCA (Grupo Operacional Para Distracção dos Provincianos, de Lucro Garantido Para o Poder Central e Amigos Interesseiros).
(É IMPORTANTE, TODOS NÓS GOSTAMOS DE VER UM BOM CONCERTO MAS...)
A cultura acontece mais uma vez sem consultar agentes, artistas, empresas, valores locais, profissionais do espectáculo, elementos de todas as áreas possíveis, no Algarve (mais uma vez com um "L", ups!...) para um perfeito desenrolar dum programa cultural que para seu enriquecimento e legitimidade, tudo ganharia num gesto natural de consideração por todos os habitantes dum “sítio” onde as pessoas já só sentem servir um Orçamento e lucros de caras desconhecidas, que ainda por cima aparecem com ar de “sabe-tudo”, aspecto este que nos leva a duvidar ainda mais da intenção inicial de todo o acontecimento que aqui cai de para-quedas, descaradamente e ao contrário de qualquer militar das forças armadas, onde bem sabemos haver um Juramento de Bandeira levado muito a sério.
O ALLGARVE vem servir os algarvios e os turistas, ou vem servir uma máquina lucrativa para uma pretensão governamental que despreza aquilo que deveria estimar e enriquecer no dia-a-dia?
É importante que em Portugal, a cultura tenha uma posição de afirmação e não de dependência estrutural, por isso impõe-se mesmo um novo olhar sobre a importância destes grandes orçamentos de lucro pré-destinado,que por aí passeiam com ar angélico e que só as pessoas mais informadas sabem ser qualquer coisa da família da farsa dos prepotentes e oportunistas.
Com ou sem orçamento do poder central, no Algarve continuará sempre a haver espectáculos, desporto e ciência,....os valores não se confundem no meio dessas reuniões nas catacumbas da realidade.
Pergunte-se a si mesmo: “Fui ver dez concertos, que bom...mas aonde estão os artistas da minha terra, terão lucrado alguma coisa,....e eu, e nós?” (isto tudo não passa de dinheiro....mas parece que tem que ser assim).

É verdade que precisamos de concertos no Algarve mas assim??


Pierrot le fou

12.6.08

PIERROT PUERIL?


Porquê mamã?... Porque é que....?

*Porque é que temos super letrados em Portugal?

Para se afirmarem numa comunidade restrita, somente capaz de constatar através de crítica televisiva no melhor dos casos?

*Que poder tem um cidadão para se interpor às más práticas da política em Portugal?
Uma cartinha para fazer rir um colectivo em Conselho de Ministros?

*Face a tantas directivas da UE, como saber distinguir conveniência ou submissão nas decisões lançadas pelos supostos responsáveis pela governação do nosso pais?
Seguindo os acontecimentos políticos ainda de mais perto, deixando os nossos trabalhos, prescindindo do nosso “ganha-pão”, para passar a assistir à telenovela do canal Parlamento nos dias úteis?

*Para que servem as greves, mesmo quando legais?
Para alguém poder divergir na projecção das estatísticas relativas à adesão dos interessados ou para alimentar a matéria manipulável para os media?

*Porque é que as pessoas do governo português falam sempre de modelos estrangeiros no momento em que se torna primordial, intervir na nossa realidade bem distinta?
Porque não têm capacidade alguma para criar modelos próprios, que para melhorar Portugal, poderiam fragilizar as suas actuais prestigiadas posições e reformas pessoais?
(logo continua)
Pierrot le fou

EURO 2OO8 - Derrota tradicional (tradição é tradição)

PERPÉTUO FUTEBOL EUROPEU
CAPITALISMO 1-0 POVO

O breve relato que poderão ler mais abaixo, nada tem a ver com a realidade.
As entidades aqui citadas não existem, são fruto da criatividade e imaginação dos leitores-interpretadores deste curto texto que não pretende chocar almas sensíveis à existência de pobres cidadãos do mundo.
(Aqui, a “bola” representa o €uro (a moeda) e a “baliza” o grande cofre do Banco Central Europeu)...

- “....O Estado portugês recebe a bola, passa a bola ao Banco de Portugal, o povo não consegue tocar na bola. O Banco e Portugal passa a bola ao Governo, o Governo passa a bola ao Banco de Portugal e o povo não consegue tocar na bola, o Banco de Portugal passa a bola aos Bancos em Portugal, os Bancos em Portugal passam a bola às grandes Empresas, o povo consegue tocar-lhe por por pouco tempo mas perde a bola.
As grandes Empresas passam a bola ao Offshore, Offshore passa a bola à grande Família de Banqueiros, grandes Empresários, e governantes disto e daquilo e amigos, rematam e.......Goooooooooooooooooooooolo!!! ......Golo, Golo, Golo!!!”

(Recomeça):

- “....O Estado portugês recebe a bola, passa a bola ao Banco de Portugal, o povo não consegue tocar na bola. O Banco e Portugal passa a bola ao Governo, o Governo passa a bola ao Banco de Portugal e o povo não consegue tocar na bola, o Banco de Portugal passa a bola aos Bancos em Portugal, os Bancos em Portugal passam a bola às grandes Empresas, o povo consegue tocar-lhe por por pouco tempo mas perde a bola.
As grandes Empresas passam a bola ao Offshore, Offshore passa a bola à grande Família de Banqueiros, grandes Empresários, e governantes disto e daquilo e amigos, rematam e.......Goooooooooooooooooooooolo!!! ......Golo, Golo, Golo!!!"

(e....):

- “....O Estado portugês recebe a bola, passa a bola ao Banco de Portugal, o povo não consegue tocar na bola. O Banco e Portugal passa a bola ao Governo, o Governo passa a bola ao Banco de Portugal e o povo não consegue tocar na bola, o Banco de Portugal passa a bola aos Bancos em Portugal, os Bancos em Portugal passam a bola às grandes Empresas, o povo consegue tocar-lhe por por pouco tempo mas perde a bola.
As grandes Empresas passam a bola ao Offshore, Offshore passa a bola à grande Família de Banqueiros, grandes Empresários, e governantes disto e daquilo e amigos, rematam e.......Goooooooooooooooooooooolo!!! ......Golo, Golo, Golo!!!"

(recicla...)

Pierrot le fou


21.5.08

Défice em Portugal?
Os que trabalham e ganham pouco que paguem isso

Quando os futebolistas da política falam sobre economia:
Almeida Santos disse a um jornalista: "o problema do défice ainda não está resolvido", disse também qualquer coisa como "querem baixar os impostos?...Isso é voltar a trás".
Grande intelectual, grande cérebro, é com grande orgulho que pessoas assim abordam os assuntos importantes de Portugal.
pois impostos aqui e ali representam dinheiro imediato para a preparação do "exposé" que o actual governo e seus amigos "cozinham" para apresentar aos seus primos da UE no final do polémico mandato que decorre.
Tudo o que os portugueses fazem é tributado. Imaginemos uma paragem total durante 30 dias...
"já cá não está quem falou" diria AS, despido de suas limitadas e obsoletas ideias e afirmações que caracterizam qualquer bom político bem posicionado na sociedade moderna do abstraccionismo e dos grupinhos de amigos "tecno-qualquer coisa".
Não venham pessoas que outrora falaram sobre liberdade, abordar as prioridades para melhorar Portugal com arrogância, desprezando a importância dos direitos sociais dos seus cidadãos, que para além de grandes contribuintes "e verdadeiros accionistas do país", são os verdadeiros geradores da riqueza real que hoje existe em Portugal.
É verdade,....é só uma ideia, mas já que parecem ser objectores de inteligência (ou objectores à inteligência dos outros), aqui vai uma dica (é só uma... existem muitas outras possibilidades mas isso é demasiado complicado, para vós do poder, pois teriam que usar o cérebro por períodos de mais de 30 minutos) para conseguirem dinheiro para o Estado (nada como ir à fonte..): CLIQUE AQUI E PERCA LÁ ESSA MANIA DE QUERER LUCRAR COM O PETRÓLEO!
Se depois disto continua sem ideias, deverá então continuar a cobrar mais aos portugueses (dou-lhe aqui outra dica,... sinto que esta é mais adequada ao vosso perfil: ponha portagens à porta das casas dos cidadãos portugueses,... refilam mas acabam por pagar..... Ah, pode também aumentar o leite em 1000% (é um bem necessário, o povo precisa dele, por isso...).
...Já me esquecia, se sente falta de afirmação nas suas acções, pode vestir uma blusa na qual previamente imprimiu um slogan tipo: "PARA UM PORTUGAL MELHOR, SOFRA O POVO QUE EU NÃO TENHO TEMPO PARA ISSO!"
Passe bem e boa continuação...


Pierrot le fou

4.4.08

SEGURANÇA SOCIAL APERTA O CERCO A QUEM?
GOVERNO SOCIALISTA PORTUGUÊS É UMA VERGONHA


"NÃO TENS DINHEIRO? ENTÃO PASSA PARA CÁ O TEU SALÁRIO, A TUA MOBÍLIA E A TUA VIDA!"
A ditadura está aí e veio para ficar, pelo menos aqueles que figuram neste vergonhoso governo parecem pensar assim.
Se socialismo é alguma doutrina, pois sinto que na prática não resulta por vontade própria de seus seguidores.
A exagerada cobrança de taxas e impostos regalam estes seres dementes que ao ver o povo português em dificuldades no presente, lhes prepara de bom gosto um futuro ainda pior.
Ser trabalhador independente em Portugal é obedecer, cumprir, pagar, contribuir e ter direito a segurança social.
Segurança social? vamos lá espreitar o que se vai passando com a segurança social portuguesa [aqui].
Quando estes irresponsáveis que pensam mandar no destino do nosso país perderem os seus lugares ao sol (já faltou mais, pena é que os que virão podem vir a fazer o mesmo), talvez passem a "conseguir" distinguir "trabalhador independente" de "mega empresário" (1000 000 000 € não é igual a 20 000€ e 1 não é igual a 2, 1/2 não é igual a 1/1000 000 000... "é fazer a conta". Recentemente vimos uma muito parecida na Assembleia da República num diálogo protagonizado por dois actores contemporâneos).

Tolerar ou colaborar com esta ditadura é atentar aos nossos direitos enquanto cidadãos, enquanto pessoas e enquanto famílias que simplesmente querem viver ou sobreviver no seu país.
Pensar como estas pessoas incompetentes é revelar ausência de cerebelo ou mesmo alguma grave doença mental.
gostaria um dia, de ver esses senhores da tecnocracia a trabalhar mas depois de mais uma batalha versus povo português, acho que temos que admitir que quem está a governar Portugal declarou a guerra aos seus cidadãos visivelmente indefesos face ao tal poder obscurantista presente.
Se a intenção for exterminar dignidade e direitos sociais dos trabalhadores portugueses, alguém está a conseguir atingir o seu perigoso e progressivo objectivo que parece ter rumo à indiferença social com associação maléfica às novas tecnologias, já que programadas ao perfil das políticas extremistas ultimamente praticadas em Portugal.
SEGURANÇA SOCIAL? [ESPREITE AQUI]

15.2.08

FICÇÃO
GUIA PRÁTICO PARA AS ILEGALIDADES
(a história já começou há muito tempo…)

...Foi então que na sala de audiências quando lhe é dada a palavra, o ladrão de maçãs numa última tentativa se dirige ao Juiz e diz:
-“Mas os senhores têm que perceber que foi o desespero que me levou a roubar aquelas maçãs, pois estou desempregado e preciso mesmo de comer.”
As ementas, os artigos do CP parecem ter sido bem aplicadas ou terá este cidadão usufruído de uma eficiente “plaidoirie” por parte do seu advogado oficioso, certo mesmo é que na ementa do dia lhe foi servida uma pena suspensa por determinado tempo.
Que inocência, que ignorância, que inexperiência…
Este cidadão ainda não aprendeu a fórmula mágica e ainda por cima desconhece o guia prático “CCFUMEPCIVECF” (Como Cometer Falcatruas Usando os Mecanismos do Estado Português Com Ilibação Vitalícia Em Caso de Flagrante).
Aqui apresento um extracto do guia conseguido com grande dificuldade:

1º Passo: Candidate-se a uma Câmara Municipal.
2º Passo: (indespensável, os outros passos dependem deste segundo) Seja eleito presidente dessa mesma Câmara.
3º Passo: Cometa as ilegalidades que lhe passarem pela cabeça à descrição (use a imaginação) sem dar nas vistas de preferência (evita o 4º Passo).
4º Passo: Imigre para o Brasil (só em caso de suspeita, flagrante ou mesmo acusação já em curso).
5º Passo: Regresse a Portugal e volte a fazer os 1º, 2º e 3º Passos (só mesmo em caso de saudade do seu país ou ansiedade e necessidade de fazer mais falcatruas…ou ambas as coisas).
Siga estes passos do CCFUMEPCIVECF, a sua vida vai melhorar (poderá então roubar toneladas de maçãs).

…E tudo está normal, estamos em Portugal.

Pierrot le fou

Por falar em ladrões de maçãs, um conto para ler [aqui]

14.2.08

clique no tabaco





(animação original)

11.2.08

PIERROT LE FOU PENSA

INTERVIR ? DEIXA PARA O PRÓXIMO...
(sociedade cívil passiva)

Eles começaram perseguindo os comunistas,
E eu não protestei, porque não era comunista.
Depois, vieram buscar os judeus,
E eu não protestei, porque não era judeu.
Depois ainda, vieram buscar os sindicalistas,
E eu não protestei, porque não era sindicalista.
Aí, vieram buscar os homossexuais,
E eu não protestei, porque não era homossexual.
Aí então, vieram buscar os ciganos,
E eu não protestei, porque não era cigano.
E depois, vieram buscar os imigrantes,
E eu não protestei, porque não era imigrante.
Depois, vieram me buscar.
E já não havia ninguém para protestar!

- Martin Niemöller -

24.1.08

UTOPOCRACIA (analogia)

UTOPIA

Era um sítio onde os seres que lá viviam respiravam o ar, bebiam água, alimentavam-se de frutos e de outras ofertas que a Natureza lhes proporcionava.
Os jovens brincavam e aprendiam, os adultos assumiam as tarefas de maior responsabilidade, os mais velhos ensinavam os mais novos e adormeciam as crianças contando histórias.

DEMOCRACIA EM 2008

É um sítio onde os seres que cá vivem ainda não pagam o ar, bebem e pagam a água alimentando-se de conteúdos das embalagens que o hipermercado mais próximo lhes proporcionar (+ IVA).
Os jovens são jovens, os políticos são as crianças que brincam (mal) e os mais velhos adormecem a ouvir os políticos a contar histórias.

Pierrot le fou